Imagine que você teve uma grande ideia e decidiu transformar a sua ideia em realidade, tornar o intangível em tangível. Sei que é bastante motivador viver uma experiência dessas, mas é igualmente desafiador. Você já sabe o que será mais desafiador?
Há quem diga que o mais difícil é a execução, como já foi dito por empreendedores que já alcançaram algum nível de sucesso. Isso se deve ao fato de que, em geral, os empreendedores não sabem criar um modelo de negócio, não conhecem bem o seu mercado e só pensam na solução em si. Ela pode parecer genial, é verdade, mas talvez ninguém use, ou pior, e mais provável, ninguém pague por isso. E que fique claro: no cash, no business. Ou seja, a ideia genial pode não servir de nada se não for bem executada, talvez apenas para ser contemplada num museu de soluções geniais que não deram certo. Fato é que podemos extrair muito deste museu, que pode ser extraordinário, pois é sempre bom aprender com os erros dos outros, a custo zero.
Particularmente, tem outro desafio que acredito ser bem maior, gosto de chamá-lo de custo de direção. Costumo dizer que esse custo é composto de três variáveis: tempo, dinheiro e emoção. Se você seguir a direção errada, o custo de direção é irreparável. E que fique claro, as três variáveis podem acabar com seu negócio, na verdade, apenas uma delas é suficiente para isso acontecer. A primeira pode fazer você perder o time-to-market, a segunda pode fazer sua empresa ir a falência e a terceira poderá tirar sua motivação para seguir em frente. Pois então, qual será o melhor caminho para ter um negócio de sucesso? Você pode ter uma ideia genial e executar com excelência, mas será que tem como garantir o sucesso?
"Certamente não há nada mais inútil do que fazer com grande eficiência aquilo que nem deveria ter sido feito."
Peter Drucker
Então, o que fazer para que a sua ideia se transforme em um negócio de sucesso? A resposta que você está procurando para garantir que isso aconteça, para que você encontre o caminho certo a ser seguido e tenha em mãos as ferramentas necessárias para fazer isso acontecer se resume em duas palavras: Design Thinking.
O Design Thinking tem um processo que permite a você inovar em qualquer area de atuação. Ele permite que você tenha um entendimento profundo do ser humano através da empatia, que faz com que você perceba as necessidades e os problemas que nenhuma ferramenta de marketing consegue perceber. Essa é uma característica da metodologia para que você busque algo que até então foi inexplorado pelos concorrentes. Além disso, o DT dá permissão para experimentar e testar as ideias mais absurdas na busca da melhor solução, sem julgamento e com fé na sua confiança criativa, para que você aprenda verdadeiramente com o seu público-alvo. Esse processo humano, racional e criativo, é que dá condições de você construir o caminho a ser seguido aos poucos.
Não é por acaso que a Ideo, empresa que criou e disseminou o conceito de Design Thinking, realizou trabalhos tão distintos de excelência, como o primeiro mouse da Apple, o robô baleia Free Willy e a estratégia de crescimento da Samsung no começo da década de 90, que hoje é referência em inovação e tecnologia.

"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo."

Peter Drucker
A verdade é que não existem garantias, são tudo hipóteses. Não tem outro caminho, é preciso falhar mais cedo para aprender mais cedo, é a única forma de buscar a direção certa. Se você não falha rapidamente e aprende rapidamente, o custo de direção é inevitável. É certo que, mesmo que o seu modelo de negócio seja bem feito, nada garante que será um sucesso de mercado. Os motivos podem ser vários. Talvez a necessidade que você atenda não seja tão latente, talvez a dor não seja assim tão grande, talvez seu modelo tenha falhas. No final das contas, talvez sua solução seja inútil mesmo, e a proposição de valor seja interessante só para você. Um belo modelo de negócio e uma execução invejável pode não trazer nenhum diferencial competitivo.
Ela permite que você erre mais cedo para aprender rapidamente, o que contribui para a adaptação do seu negócio. Além disso, não existem eurekas que farão seu negócio ser genial. Um verdadeiro negócio de sucesso é fruto de vários protótipos de negócio que foram testados até se chegar num modelo que faz sentido e traz resultados reais. Sendo assim, a única certeza que você deve ter do seu novo negócio é que tem algo errado nele. Impossível saber previamente o quanto dele está errado ou certo. É preciso testar, é preciso aprender. O Design Thinking dá todas as ferramentas para que isso seja feito.
Mas testar e aprender rápido ainda não é suficiente. Tendo em vista o mundo competitivo que vivemos, no qual praticamente qualquer nova ideia que temos não é nova, basta procurar no Google para encontrar uma igual ou similar, é preciso mais do que isso para seguir uma direção desejável inexplorada. Para isso acontecer, é preciso bastante inspiração para se criar uma solução realmente inovadora, é para esse propósito que existe uma fase no Design Thinking chamada de Empatia. Ela dá todas as ferramentas para criar empatia com os stakeholders, pois só com o profundo entendimento das necessidades, emoções, motivações, frustrações e contexto que ele vive é que os verdadeiros insights virão para ajudar a se colocar no lugar do outro a ponto de conseguir definir, com clareza, o problema a ser resolvido, a necessidade a ser atendida, a direção certa.
Crie empatia, faça protótipos, teste e aprenda. Para um projeto ser bem sucedido, não basta ter uma ideia e não basta executar com excelência. É preciso encontrar a direção certa.